Notícia: Previdência da advocacia busca maior rentabilidade em cenário de queda de juros

Segunda-Feira, 17 de Abril de 2017

Previdência da advocacia busca maior rentabilidade em cenário de queda de juros

Ao que tudo indica, o ciclo de distensão monetária conduzido pelo Banco Central veio para ficar. Na quarta-feira 12 de abril, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a quinta queda seguida da taxa Selic, para 11,25%, após corte de 1 ponto percentual. As mais importantes consultorias financeiras do país apostam que os juros continuarão caindo pelo menos até o fim do ano – a expectativa é que a taxa básica feche 2017 entre 8% e 9%. Esse movimento, que visa à recuperação da atividade econômica em um cenário de inflação declinante, exige senso de oportunidade dos fundos de pensão.

A percepção clara dos rumos da economia tem sido uma das características dos gestores de investimentos da OABPrev-SP. Reunido no último dia 23 de março, o Comitê de Investimentos do fundo de previdência da advocacia fechou questão quanto a mudanças pontuais nas alocações dos recursos da instituição, as quais, contudo, não alteram a linha mestra da sua política de investimento, que obedece ao trinômio segurança-rentabilidade-liquidez.

“São alterações dentro da margem de discricionariedade da política de investimentos. Trata-se de um ajuste, um realinhamento”, afirma o diretor financeiro da OABPrev-SP, Marco Antonio Cavezzale Curia.

“Com o processo de queda relevante da taxa Selic, os retornos do CDI serão reduzidos, o que levou o Comitê a adotar uma postura mais proativa na execução das alocações do fundo”, explica Dan Kawa, chefe da Área de Multimercados da Icatu Vanguarda, uma das empresas parcerias que gerem os recursos da OABPrev-SP. “Decidiu-se elevar a alocação em Fundos Multimercados Macro, que buscam retornos acima do CDI, com volatilidade moderada e com consistência”, salienta.

Segundo Kawa, a OABPrev-SP tem se favorecido do fechamento das taxas de juros reais mediante alocações em fundos que buscam seguir o IMA-B, índice de taxas de juros reais da economia, “além do bom desempenho no mercado de renda variável e nos fundos de crédito privado”.

“Estamos sempre atentos a oportunidades, sem perder de vista a consistência dos retornos e a preservação de capital”, frisa o gestor da Icatu.

De acordo com Nathan Batista, executivo da Aditus, consultoria financeira parceira da OABPrev-SP, a alocação em fundos multimercados institucionais, outra medida indicada pelo Comitê, chegará a cerca de 9% do seu patrimônio. Esses fundos, destaca, “atendem às vedações previstas na Resolução 3.792 do Conselho Monetário Nacional, que estabelece os parâmetros de aplicações das entidades fechadas de previdência complementar”.

“Num contexto de juros em queda, esses movimentos permitem que a OABPrev-SP se desindexe do CDI, numa procura de retorno em outras classes de ativos”, avalia Batista.

O Comitê de Investimentos é um órgão assessor da Diretoria Executiva da OABPrev-SP. De caráter consultivo, é composto pelo presidente da entidade, Luís Ricardo Marcondes Martins, pelo diretor financeiro, Marco Antonio Cavezzale Curia, por um membro do Conselho Fiscal, atualmente a conselheira Fabiana Nunes, pelo gerente executivo Armando Sápiras e por um representante da consultoria financeira, no caso, a Aditus.

O fundo de previdência da advocacia apresentou rentabilidade de 14,23% em 2016, percentual bem acima do IPCA aferido no período, de 6,29%. Quem pensou no futuro pondo recursos na OABPrev-SP também saiu-se melhor do que aqueles que utilizaram a tradicional Poupança, que rendeu apenas 8,3% no ano passado. O patrimônio da OABPrev-SP já se aproxima dos R$ 600 milhões.

 

 


+ Mais Notícias