.

Notícia: Prevenir doenças é celebrar a vida

Terça-Feira, 31 de Outubro de 2017

Prevenir doenças é celebrar a vida

Realizar exames preventivos do câncer de mama já faz parte da cultura feminina. O mesmo não se pode dizer do teste para detecção do câncer de próstata, ainda um tabu entre os homens. “É preciso igualdade na busca da prevenção. Os homens só procuram o exame da próstata quando empurrados pela mulher”. A afirmação é justamente da coordenadora de Políticas Públicas para a Mulher do Estado de São Paulo, Albertina Takiuki. A médica mediou debate sobre o tema no seminário “Outubro Rosa + Novembro Azul: Celebrando a Vida”, realizado pela Comissão da Mulher Advogada da OAB-SP no dia 30 de outubro, na sede da CAASP.

Tradicional evento alusivo ao Outubro Rosa, campanha global contra o câncer de mama, desta vez a iniciativa foi pioneira ao aglutinar na mesma oportunidade a abertura do movimento Novembro Azul, de alerta sobre o câncer de próstata. Para falar sobre essas doenças, ao lado de Takiuki estiveram outros três renomados profissionais da área.

“As pesquisas mostram que, de cada 10 homens, quatro terão câncer de próstata, a maioria de evolução lenta, ou seja, do tipo que dá para curar”, informou Diógenes Melo, especialista em Medicina Legal pela USP e pela Academia de Polícia de São Paulo. O legista fez uma severa advertência aos homens ainda obnubilados pela desinformação: “Os exames de PSA e ultrassom são necessários, mas o mais importante é o exame de toque retal. Leva de 10 a 15 segundos e não dói”.

Médico do Serviço de Oncologia do Hospital Ipiranga, Fernando Ladeia apontou as incongruências do sistema de saúde brasileiro, tanto na esfera pública quanto na privada, quanto aos tratamentos oncológicos. “Podemos dizer que a radioterapia está na UTI. Um equipamento de alta tecnologia custa cerca de 100 milhões de dólares”, observou, ponderando que, por conta do custo elevado, tais máquinas só servem a pacientes particulares e de alto poder aquisitivo ou aos contratantes dos planos de saúde mais caros.

Diante das considerações de Ladeia, constata-se mais do nunca a importância dos cuidados preventivos: “Há ótimos medicamentos contra o câncer de próstata, mas custam até 30 mil reais por mês. Se detectado depois da fase inicial, o custo do tratamento de um câncer de próstata é muito alto, por isso é tão importante a prevenção”.

Apesar de culturalmente mais enraizada, a prevenção do câncer de mama precisa crescer ainda mais, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, onde só 7% das mulheres buscam os procedimentos de detecção precoce da doença, ante 70% no Sul e no Sudeste. “A mamografia e o ultrassom são complementares – tem que fazer os dois”, destacou Camila Yamada, oncologista clínica do Hospital da Beneficência Portuguesa.“Hoje, com os tratamentos disponíveis, o câncer está mais para uma doença crônica”, frisou, ressalvando o alto custo dos tratamentos. Quando esse problema é suprido, tem-se a seguinte realidade: “Mesmo quando não se cura a doença, posterga-se, e com qualidade de vida”.

Os especialistas falaram para um auditório lotado de advogados e advogadas, conselheiros secionais da Ordem e dirigentes de subseções, com a presença do presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, do vice-presidente, Fábio Romeu Canton Filho, do secretário-geral, Caio Augusto dos Santos, da secretária-geral adjunta, Gisele Fleury Charmillot Germano de Lemos, e do diretor-tesoureiro, Ricardo Toledo Santos Filho. Pela CAASP compareceram o diretor-tesoureiro, Jorge Eluf Neto, e os diretores Adib Kassouf Sad e Célio Luiz Bitencourt.

“‘Celebrando a vida’ é o nome desta iniciativa. Vamos, juntos, abraçar as causas do Outubro Rosa e do Novembro Azul”, declarou Marcos da Costa. Segundo a organizadora do evento, Kátia Boulos, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-SP, “a proposta foi tratar as questões que dizem respeito à igualdade de gênero, desta vez de modo voltado à saúde”.

“A informação é a melhor forma de prevenção. Nós devemos nos mobilizar para prevenir doenças, com vistas a uma sociedade saudável”, sentenciou Kátia Boulos.

A Comissão da Mulher Advogada da OAB-SP “foi muito feliz ao unir Outubro Rosa e Novembro Azul em um único evento”, elogiou Gisele Fleury Lemos. “Falar de câncer de mama não é mais tabu para as mulheres, mas falar de câncer de próstata ainda é tabu para os homens”, acrescentou a secretária-geral adjunta da Secional.

Em nome da Diretoria da CAASP, Jorge Eluf Neto disse que “a casa sente-se honrada em sediar um evento deste porte mais uma vez”, e lembrou que os temas em pauta “fazem parte da vocação da Caixa de Assistência, que é cuidar da saúde da advocacia, principalmente por meio de ações preventivas”.

“Outubro Rosa + Novembro Azul: Celebrando a Vida” prestou homenagem a Maria Célia do Amaral Alves, diretora da CAASP falecida em 29 de junho último. Suas filhas Maria Carolina e Maria Cláudia receberam a deferência. Célio Luiz Bitencourt anunciou que a unidade de Santo André da Caixa de Assistência passará a ser denominada “Sede Regional da CAASP Maria Célia do Amaral Alves”, para aplausos do público.

As centenas de operadores e operadoras do Direito que lotaram o auditório da Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo também puderam ver pela primeira vez uma exposição de quatros cuja temática remete ao tema do evento, sob a curadoria de Sandra Maria Honors, com apoio da Comissão de Direito às Artes da Subseção do Jabaquara, presidida por Cíndia Regina Moraca. A partir de agora, as 18 telas estarão à mostra até 30 de novembro na sede da OAB-SP (Rua Maria Paula, 35).

Uma emocionante apresentação do Coral da CAASP fechou o evento.

Fotos: José Luís da Conceição


+ Mais Notícias