.

Notícia: A história do Estado de Direito contada pelos selos postais

Quinta-Feira, 24 de Agosto de 2017

A história do Estado de Direito contada pelos selos postais

Braz Martins Neto é uma pessoa triplamente apaixonada. A advocacia empata com a filatelia no ranking de suas paixões, e ambas perdem para a esposa Marcia e as três filhas que ela lhe deu. Aos 67 anos, formado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco em 1973, ele divide-se entre a advocacia, a presidência da CAASP (Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo) e o colecionismo de selos, que cultiva há 53 anos.

Parte do seu trabalho como filatelista acaba de resultar em uma coleção ímpar, devidamente transformada em livro (não vendável), no qual a saga do mundo livre, recheada de interregnos totalitários, é contada por meio dos selos postais. A coleção temática denomina-se “Estado de Direito: Defesa e Violação” e suas 88 páginas valem um curso informal de Direito e História.

“Aos filatelistas iniciantes ofereço a oportunidade de colher algum aprendizado. Já em relação àqueles com os quais convivo, especialmente os ‘decanos’ da comunidade filatélica, vou colher com muito interesse as críticas, especialmente dos laureados em exposições nacionais e internacionais, empenhando-me para com eles me alinhar na qualidade que alcançaram”, escreve Braz Martins Neto na apresentação da obra, que será exposta nacionalmente para, depois, alçar voos internacionais. “A evolução a ser perseguida é classificá-la para uma mostra mundial”, antecipa.

Percorrer as páginas de “Estado de Direito: Defesa e Violação” é ir dos Dez Mandamentos de Deus ao ataque às Torres Gêmeas de Nova Iorque. É viajar pelas Revoluções Francesa, Russa e Cubana. É indignar-se com o Estado Novo getulista, com a Ditadura Militar brasileira e com o assassinado de Salvador Allende. É nutrir-se da grandeza de Mahatma Ghandi, Martin Luther King e Nelson Mandela. É chorar o Holocausto e comemorar a vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. É sentir a luz lançada sobre o mundo pela Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Na obra filatélica de Braz Martins Neto, os selos relatam os avanços e os retrocessos civilizatórios, com todo rigor, critério e paixão com que o tema merece ser tratado. Mais que uma coleção de selos, “Estado de Direito: Defesa e Violação” é um manifesto humanista.


+ Mais Notícias